terça-feira, janeiro 23

O inferno que é Angola...


Um homem morre e vai para o inferno...

Ao chegar lá, ele descobre que há um inferno diferente para cada país e ele decide tentar o menos penoso para passar a sua eternidade.

Ele vai ao inferno alemão e pergunta: "O que fazem aqui?"
Disseram-lhe: «Primeiro põe-te numa cadeira eléctrica por uma hora. Depois põe-te numa cama de pregos por mais uma hora. Por fim o diabo alemão vem com um chicote e chicoteia-te até a noite.»

O homem não gosta do que ouve e vai tentar a sua sorte num outro inferno. Ele passa pelo inferno dos EUA, da Rússia, China e muitos mais. Todos eles praticam o mesmo que o inferno Alemão. Mas o que fazer então?

Ele continua a andar até que descobre uma grande fila no inferno de Angola.
Muito intrigado, ele pergunta o que fazem nesse inferno. Ao que lhe Respondem: «Primeiro põe-te numa cadeira eléctrica por uma hora. Depois põe-te numa cama de pregos por mais uma hora. Por fim o diabo Angolano vem com um chicote e chicoteia-te até a noite.»

Aí, mais admirado ainda, o homem diz: "Mas é exactamente o mesmo tratamento que fazem nos outros infernos! Porque razão então a fila aqui é tão grande?"
"Porque aqui nunca há electricidade, portanto a cadeira eléctrica não funciona. Os pregos foram encomendados e pagos, mas nunca chegaram ao destino, foram desviados, portanto a cama é muito confortável. E o diabo angolano era trabalhador da função pública, por isso vem, assina o ponto e depois sai para tratar de assuntos pessoais, portanto nunca está presente para chicotear os mortos"...

2 comentários:

ANGOLA disse...

Rirmo-nos de nós próprios é a maneira de ultrapassarmos as adversidades do dia-a-dia. É uma virtude desenvolvida… Igual a nós, acho que só mesmo os nossos irmãos do outro lado do atlântico, Brasil, também eles se riem, como nós, da sua precariedade.

Desgraçado de quem não tiver humor.

Denudado disse...

A propósito da figura, pergunto:

O Salazar pode querer ir para o inferno angolano, mas o diabo vai mandá-lo para o inferno alemão, não vai?