terça-feira, maio 2

Re: Desabafo...

Já a algum tempo que estou para comentar o artigo publicado no dia 7 de Abril…

Acho que comparar Portugal a Angola em questão de racismo é injusto pelo simples motivo de haver uma miséria desmedida em Angola enquanto que em Portugal é um bocado diferente. Também acho que falar saudosamente do período colonial em que “se vivia bem” esta completamente errado.
.
Nasci e cresci em Angola a 26 anos e vivo na Europa a algum tempo, portanto tenho experiência nos dois lados. Enquanto estudei em Angola (sempre estudei nas escolas do estado) nunca senti racismo na pele (e era muito mais claro que 95% do resto da escola), o mesmo acontecia na rua quando andava por meia Luanda a pé. Hoje a situação é totalmente diferente, saio a rua e sinto logo de maneira activa e/ou passiva o racismo na pele, porque será?

É simples, o racismo é dirigido aos mais claros que acumulam percentualmente muito maior riqueza (não estou a dizer que são os mais ricos), quero dizer que ao apontar o dedo aleatoriamente a uma pessoa mais clara é mais provável que ela pertença a classe media ou alta; o mesmo não acontece com um angolano negro. A descriminação existe sempre que se é diferente do padrão normal das coisas. Em Angola onde o padrão normal é a pobreza, os ricos correm o risco de serem descriminados por o serem e assim diferentes da maioria. Quando essa riqueza esta maioritariamente distribuída por indivíduos de raça branca ou clara, a descriminação passa de económica a racial, visto que há uma ligação directa a cor de pele. Portanto num pais com um nível de miséria tão elevado é lógico que haja racismo (por razoes económicas) contra uma minoria que vive acima da média (como já aconteceu por exemplo na Alemanha precedendo a Segunda Guerra Mundial). Era bom lembrar que Angola foi dos únicos países africanos a ter um movimento de libertação tão multi-etnico em que todos lutavam pela mesma causa (MPLA), dai não haver uma Historia de descriminação racial.

Já em Portugal o inverso acontece, quando os negros têm os empregos e rendimento dominante mais baixos e são vistos como um grupo que esta a retroceder o pais e a aumentar a criminalidade, dai também descriminados pela raça. O mesmo começa a acontecer aos brasileiros e pessoas do leste da Europa (ai já se chama xenofobia). O racismo em Portugal é causado por ignorância, medo e fundamentalismo ao assumir que a raça negra como mais perigosa, inferior ou menos capaz (intelectualmente ou economicamente) ou outra patetice do género. Sou contra o racismo em qualquer contexto, pela simples razão de se basear na cor da pele.

A Angola à que se refere, linda e que traz saudades à quem lá viveu (pré-independência), era muito boa para as pessoas mais claras (os avantajados do sistema), mas muito má para os negros (a minoria vivia bem ao custo da maioria). Se já leu alguma literatura da época pode ver situações a que os angolanos negros eram expostos no dia a dia, desde “check points” para controlar a movimentação, a contratos de trabalho muito além das leis de trabalho existentes isso para não falar a serem submetidos a uma governação dum povo que vinha do outro lado do equador. Não havia igualdade de direito, acesso a escolas, trabalho, hospitais, etc, etc… a não ser que fosse “assimilado”. Portanto sim, tem razão, Angola era mais bonita, mas só para alguns privilegiados (como os meus familiares por exemplo), mas de certeza que isso não é justo nem vou tentar fundamentar essa questão. Não vejo nada de saudável nesse Estado. Depois da Dipanda houve a transferência de poder para pessoas que não estavam preparadas nem literadas para dirigir um país (por causa do sistema anterior) e para adicionar a isso houve ainda 3 guerras que podem não ter causado destruição directa a algumas cidades mas causaram miséria generalizada ao povo.

O povo é sim culpado por deixar acontecer muita coisa e não tomar uma iniciativa, manifestar-se, exigir mudanças como é normal em qualquer pais democrático (vimos agora o exemplo de França ou Nepal). Mas é injusto culpar um cidadão que vive com um salário de 70 USD, que tem que alimentar uma vasta família e tem de recorrer a esquemas, antes isso que começar a matar para roubar que era muito normal num pais com um índice de homens treinados militarmente tão elevado, e claro, com acesso a armas.

Angola é linda mas ta feia! Não acredito que alguém me diga que a acha bonita hoje! As cidades estão um escombro, nas matas não há animais, estradas são mais picadas do que outra coisa, lixo por todo o lado, miséria sempre presente!!! Sinto-me frustrado e triste quando lá vou mas claro é algo superior a nós que nos atrai e faz-nos sempre voltar a terra. No meu caso estou ansioso de voltar para minha terra apesar de tudo, tenho esperança em poder fazer alguma coisa, talvez seja um desejo utópico normal da idade.
.
Os períodos de transformações em Angola não foram feitos da melhor maneira (de colonizados para estado independente, de Comunistas e partido único para economia de mercado), portanto isso tudo causou o vandalismo do pais e enriquecimento de alguns (oportunistas talvez). As pessoas tornaram-se sim consumistas (baratas), invejosas, empobrecimento de valores, falta de ideais, materialistas e racistas. É triste, mas como o nosso Presidente disse, isso "é tudo um problema de barriga". Espero que esse "problema de barriga" não se transforme numa caça as bruxas contra os privilegiados do passado.
.
Por:
K.

22 comentários:

Kim disse...

nao gostei do artigo

kim disse...

nao gostei do artigo, muito sinceramente

Anónimo disse...

artinho estranho

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Kiara disse...

Resposta a K.

Antes de mais agradeço o teu comentário.
O meu Desabafo, foi, como eu me expliquei no início do Post, isso mesmo (um desabafo “muito particular”. No entanto, não me parece que seja injusto comentar o racismo num país e no outro, tendo em conta que o que explicitei, foi que considero pior o racismo que se vive em Angola – para com os próprios angolanos – por se ter a pele mais clara. Nenhuma forma de racismo é justificada e muito menos pela miséria de um povo face a outro (como diz).
Não considero, falar do saudosismo do período colonial errado, porque foi a realidade que vivi! Pretos e brancos conviviam com menos racismo do que agora entre os próprios angolanos. Isso é uma realidade. E é essa realidade a que mais me choca. O meu desabafo foi evocado por lembranças, que como disse , vim de lá muito pequena.
A angola em que vivi, não era só boa para as pessoas de pele mais clara. Grande parte dos amigos da minha família (e eu tenho uma família gigantesca), senão maioritariamente, eram negros. Que viviam igualmente bem. Portanto, há excepções como em tudo na vida. Quanto aos subornos e à corrupção existente, eu não afirmei ser de todo incompreensível, mas para mim inaceitável. É lógico que o povo vive em miséria total, é triste, mas é esse mesmo povo, que tem que fazer algo para mudar! E não continuar a viver de “esquemas” (a que são levados, muito bem) mas que só implica cada vez menos voz activa e mais corrupção.

Kiara

joão francisco disse...

amiga Kiara, acho k tens todá razão.
Mas agora vos chamo atenção para este blog racista, ordinário e saudosista do kolono para verem o outro lado da raiva e artigos como Angola é nossa e outros.
http://kulatra.blogspot.com/2006/05/angola-nossa.html

K. disse...

Kiara, Eu tb gostei do teu artigo, mereceu um comentario mais completo.
Quanto ao teu comentario a cima, continuo a achar injusto traçar um paralelo em relaccao ao racismo. Em Portugal tb existem portugueses negros ou n? Portanto racismo tb com os proprios portugueses. Agora n compreendi se afirmaste q eh mais toleravel o racismo contra estrangeiros de raça diferente do que contra o teu conterraneo, alias, menos mau ou mais compreensivel?
Continuo a achar muito mau falar bem da era colonial em relaccao a qualidade de vida pelo facto de essa so ser pra uma minoria. Havia sim racismo, e pior pq tava instuituinalizado no sistema. Os angolanos nao viviam bem (nao me refiro aos 2% q viviam bem) e isso eh um facto, os negros viviam muito pior q os brancos, quase q havia um estado com 2 sistemas legais. Como disseste, havia sim alguns negros q viviam bem mas era os assimilados q tinham q renunciar a sua tradicao e cultura e “assimilar” a do branco pra poder ter as mesmas regalias, dai viverem um bocado melhor. Isso tava nas cidades do litoral tb.
Tou de acordo com a corrupcao feita por pessoas de baixa renda enquanto n aumentarem os salarios da funcao publica(e nao eh 10%), normalizarem os salarios de angolanos vs. estrangeiros (espatriados), comecar haver divisao mais justa da riqueza e investimento nos sectores basicos da economia (para alem do petroleo). Nao estou de acordo com a corrupcao feita la em cima. Voz activa do povo so havera quando se erguer um lider que defenda genuinamente os interesses do povo.
K.

Anónimo disse...

Voces e que sao os tais racistas, canbanda de frustrados (as), que fiquem a portugal que nao vao a Angola. Filhos sem pais, paridos a relentos. So nao digo mais....

Carlos disse...

Existem por aqui comentário de tal burrice como o do dia 06 de Maio (anonymous) que fazem pensar que afinal existe gente muito estúpida que vem aqui aos blogs dizer baboseiras.
.
http://toxicidades.blogspot.com

Pelusa disse...

Bom...afinal sempre existem pessoas com senso comum. Gostava de parabenizar o(a) autor(a) deste artigo...

Meu Deus, quanta qualidade de opinião e clareza de pensamento...

Mas temos de ver a questão nos mais variados ângulos. O racismo, referido neste artigo, pelo menos a parte que me chamou a atenção, é inveja provocada pela desigualdade social. A meu ver, não é tão grave como o racismo verificado em Portugal (também muito bem referenciado neste artigo), que muitas vezes é pura e simplesmente maldoso!

Mas até para mal dos pecados dos portugueses, até a Comissão Europeia já os aconselhou a pensarem na emigração como forma a desenvolver Portugal.
Mas este racismo maldoso, não existe só em Portugal, em Angola também existe!

E mais...uma questão que eu gostaria de esclarecer...quando dizes que é xenofobia a praticada pelos portugueses em relação aos brasileiros e cidadãos do Leste europeu...porque o dizes? Por causa da cor da pele ser na maioria dos casos a mesma?

Então eu pergunto...e o comportamento dos angolanos em relação ao cidadãos nascidos no antigo Zaíre (Republica Democrática do Congo)?

Não me digam que os angolanos se portam bem com estes porque não se portam...já presenciei cenas em que estes cidadãos são tratados abaixo de cão!

Meus amigos, o que eu quero dizer neste comentário, bem como no comentário que fiz ao artigo principal deste assunto, é que esta questão do racismo é melindrosa e que quem atirar a 1ª pedra, é bom que esteja preparado para os vidros que virão do seu telhado.

Quando alguém me chama de “Branco” (em Luanda) eu retribuo com um belo e bem disposto "Bom dia! Deseja alguma coisa de mim?", e quando em Portugal me chamam “Preto” respondo "Bom dia! Com todo o gosto, algum problema?"…

Até a igreja católica um dia praticou o racismo, não na verdadeira ascensão da palvra racismo mas sim de uma forma de diferente, se nos lembramos das razões pelas quais as inquisições maltrataram e mataram muita gente, veremos que eram os atingidos eram "os diferentes e que tinham o demónio no corpo"...por isso meus amigos...a melhor maneira de lutar contra o racismo é ignora-lo positivamente.

Um abraço deste angolano ora Branco, ora Preto,
Pelusa

K. disse...

Pelusa,


Obrigado pelos complementos ao artigo.
Concordo ctg ao dizeres que o racismo em Angola eh de certa maneira uma inveja a quem tem mais, dai eu ter dito q isso eh mais um problema de barriga que quando for resolvido tb vai a questao do racismo.

Portugal eh um pais atrazado, pequeno e com complexos, isso agora com o alargamento das fronteiras da Comunidade aos paises do Leste e contacto com outras culturas deve abrandar, pelo menos eh o q se espera.

A descriminacao dos angolanos em relaccao aos zairenses (congoleses) eh tb xenofobia e um pouco estranha, pq as fronteiras existentes entre esses dois paises sao artificiais, criadas por outros povos, portanto muitos angolanos tem a mm origem etnica que os ditos zairenses, dai eu n perceber bem essa descriminacao!

Acho q a tua reaccao eh a mais correcta apesar de ser dificil as vezes, o sangue sempre aquece e dai ja nao agimos da maneira mais coerente.

Anyway, por acaso n estudaste no Mutu?

Abracos,

K.

Anónimo disse...

Antes de mais, gostaria de realçar o gosto que tenho em ver um site como este - Um site onde angolanos possam reflectir e juntos criar uma nova corrente de pensamento e quem sabe, num futuro mais distante, uma verdadeira oposição à um regime que não nos favorece.

Vivi em Angola até Setembro de 2004, altura em que vim para França, fazer a universidade. Sem ser arrogante, creio que estou numa boa situação para "classificar" o racismo existente em Angola. Creio que o racismo existente em Angola é pura consequência duma grande desigualdade social. Quantos pedintes brancos ou mulatos vemos na rua? Dizer "muito poucos" é um claro eufemismo. Praticamente nenhum. A verdade é que regra geral, os brancos e os mulatos, formam uma classe favorecida. Não digo que não existem mulatos ou brancos pobres, mas encontramo-los numa quantidade irrisória. As consequências não podiam ser mais óbvias, a generalização é imediata: Ser mulato ou branco, significa ser duma classe social média ou mais alta. À esse nível, creio que o racismo é inevitável. Quando mais de 80% do povo vive na miséria profunda, uns tantos possuem casas oponentes, carros americanos e vivem na opulência. Ainda assim, acho que esse racismo (que na verdade, é mais uma discriminação social dirigida à uma raça mais priviligiada) não é tão grave como o dizem. Existe, mas não existe à um ponto onde não possamos andar na rua sem ser olhado de lado.Isso não é verdade.

Contudo, e sem querer estar a pintar todo o quadro de cor de rosa, há outras coisas que me têm preocupado. Estive Dezembro passado em Luanda, para passar o natal. Aproveitei para me informar ao máximo sobre a situação do país. Em termos de infra-estruturas, Angola está a crescer bastante.O investimento estrangeiro é massivo. Os chineses investem cada vez mais - Vão construir o palácio da justiça (que ficou por acabar desde a altura da independência),os caminhos de ferro de Benguela, a Bp Amoco, constrói um novo prédio na baixa, sonangol - idem. A estrada até Luanda-Sul está a ser completamente renovada. O capitalismo está a aparecer em massa - creio que não preciso de dizer a ninguém que Angola teve, no ano passado, o segundo maior índice de desenvolvimento mundial. Mas, os jornais angolanos (angolense) estampam nos artigos que escrevem, um xenofobismo voraz. Criticando Malianos, chineses, e todos que quiserem vir à Angola. "Querem roubar o que é nosso"- dizem. Esquecem-se que Angola, precisa de investimento estrangeiro. Talvez com os olhos internacionais virados para nós, os nossos políticos se lembrem que roubar é proibido e ilegal e se abstenham um pouco de tal luxo e se preocupem mais com o povo.

Pelusa disse...

Obrigado pelas tuas palavras e esclarecimento K.

Estudei sim senhor...com muito orgulho e saudade que tenho desse tempo...a cada dia que passa entendo melhor quando ouvia os mais velhos dizerem "Que saudades daquele tempo..."

O meu tempo pode não ter sido o melhor socialmente(o que no meu caso apesar de não ser problema mas se fosse,a base familiar que tive a sorte de ter,ajudaria a ultrapassar) mas de certeza foi o melhor em termos de felicidade e amizades que poderia ter tido...

Um abraço
Pelusa

Anónimo disse...

Para o comentario em cima do PELUSA:
Investimento, crescimento (altamente dependente do petroleo e NADA dos outros sectores, e pouco ou nada sentido pela "plebe", portanto nao passando de indicadores economicos animadores e enganadores) sao conceitos muito bonitos, mas eu n vejo um PROJECTO PARA ANGOLA, da-me impressao que as coisas se fazem um pouco aleatoriamente, tudo se concentra em Luanda (minus CFB claro), todo o avido investimento estrangeiro e feito no sector de prestaçao de serviços, os sectores primario e secundario sao altamente negligenciados, busca-se o lucro massivo e imediato tentando gerar uma acumulaçao de riqueza a curto termo que a unica promessa que, a meu ver, desenha no horizonte e o aumento do fosso de DESIGUALDADE, q vai ter os seus efeitos colaterais, aumento do racismo, aumento da criminalidade e tenho mto medo q acabemos como o BRASIL!!! Faltam-nos lideres e nao seguidores da historia dos outros, faltam-nos pessoas com imaginaçao e pessoas REALMENTE DEDICADAS AO PAIS, e nao um bando de bons BUSINESS MEN q conheçam os meandros do sistema (gasosa daki, grade dali, comissoes a tubarao X ou Y) para serem bem sucedidos nesse oasis do dinheiro facil!!!
Luaty

P.S. eu sei kem tu es bandido :p

Pelusa disse...

E eu acho que também sei quem tu és meu saudoso amigo!!
Neste caso, a incerteza deve-se ao facto de normalmente ninguém se identificar com o seu próprio nome(meu caso,apesar de o nick escolhido ter a haver com o meu 2ºmaior idolo,já que o 1º será sempre o meu Pai)...mas essa tua certeza(eu sei quem tu és bandido) leva-me a crer de certeza que és a pessoa que eu conheço!
Espero que esteja tudo bem contigo...
Um abraço
Pelusa
PS:Desculpa ser curta mas tou a ver a nossa equipa a ser cilindrada pela equipa do meu idolo.O Oliveira Gonçalves onde é q foi desencantar Marcos Abreu's e Loco's?Os 2 juntos não fazem metade de um jogador a sério...mas anyway...é a NOSSA SELECÇAO e por muitos que leve,será sempre a minha equipa!!

José Rodrigues Neto disse...

Caros amigos,
Sou certamente mais velho que vocês, que estão certamente na flor da juventude.
Li com atenção o que aqui foi comentado e até entendo algumas observações mais preocupantes, embora as não possa aceitar.
Gostaria apenas de aqui deixar um alerta. NENHUM racismo é aceitável. Não há racismos menores nem maiores. O racismo é apenas um, mas muitas vezes manipulado conforme os objectivos de quem o pratica.
Não gostaria, meus caros jovens, de vos ver defender ou desculpar ou até minimizar atitudes de índole rácica. Todas elas são de evitar e combater.
Não se esqueçam do que este kota vos diz. Em Angola o kumbu a sério, pesado, estará talvez nas mãos de certos dirigentes e homens de negócios negros. Mesmo os estrangeiros, não sei se terão tão grandes quantias em contas particulares. Já não falo dos angolanos brancos, que, para além de serem uma minoria, não são (nem por sombras) tão ricos como os que citei no início.
Sei bem do que estou a falar. E vocês, jovens que me parecem muito inteligentes, também devem saber.
Portanto, e porque já estou a ser aborrecido, só vos quero repetir: Combatamos QUALQUER forma de racismo.
Muito obrigado e que Deus vos dê uma longa vida.

K. disse...

Eh isso ai, mas acho q agora da pra ver q temos muito mais semelhancas q diferencas de cor, da pra ver q tamos todos juntos a torcer por Angola no mundial independentemente da quantidade de comida na barriga ou dinheiro na conta, agora esse espirito tem q ser transmitido a outras realidades ai da banda.
A questao eh q ha muita conversa e pouco trabalho, como o DogMurras diz - angolano, trabalha!

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
AP disse...

Gostei do artigo. E só posso concordar! Sou português, nascido em portugal, mas com raizes em Africa, e tenho que dizer algumas verdades que no meu pais poucos admitem! É verdade que houve abusos em Angola no tempo da colonização! É verdade que Portugal foi irresponsável para com Angola na forma como correu a independencia! E é verdade que em Portugal existe muito racismo! Como em qualquer parte do mundo! E acho tudo isto muito triste... Angola é uma grande nação e tenho a certeza que vai ultrapassar tudo isto. Força Angola!