terça-feira, junho 14

RACISMO OU ELITISMO?

Cresci a ouvir falar de Angola e fui educada com uma mentalidade que mais tarde me apercebi, muito diferente da tradicional Portuguesa! Cresci a ouvir falar de terras lindas, com a saudade de quem lá deixou uma vida e teve que começar do zero em Portugal para ter aquilo que hoje tem!!! Cresci a ouvir falar de Luanda, Nova Lisboa, Sá da Bandeira, Benguela, Lobito, Baía Farta, Baía Azul, Shongoroi… e tantos outros nomes, que hoje em conversas com gente dessa Angola que imagino como linda, já me baralho e não sei bem se “conheço ou não”!

Confesso…nunca me senti Portuguesa… tive sempre a casa cheia de gente, sempre com comida para mais um…ter festa de anos com a mesa cheia e todos os vizinhos à sua volta…dizer geleira, gindungo, ginguba, leite moça, gillete (e tantas outras palavras q por me serem tão naturais, não consigo enumerar!)…comer Moamba, Pirão, Funge… Sempre me senti diferente…com uma mentalidade mais aberta, e sempre pronta a ajudar toda a gente como se fossem irmãos…nada como a maioria (e conheço algumas das excepções!) tradicional Portuguesa!

Mas…a verdade é que sou Portuguesa…branca...e só de há alguns tempos para cá tenho tido a oportunidade de lidar mais de perto com alguns Angolanos residentes, momentaneamente, no País!
Só posso dizer que conheci pessoas adoráveis, de fácil convívio, e que na sua maioria, me fizeram sentir muito bem, ou seja, integrada!

De repente, num dos passeios pelo vício bloguista, encontrei este Blog que me pareceu um espaço interessante para partilhar algum do veneno, que espalho no meu próprio Blog!!!

E por isso, caros amigos, tenho que partilhar uma ideia que já há algum tempo me persegue, mas que agora com o convívio com alguns dos angolanos que temporariamente se encontram em Portugal, lamentavelmente tenho vindo a confirmar! TEMPORARIAMENTE… sim, porque a maioria veio estudar, e logo que acabe o curso regressa a Angola!

Pois bem…é triste constatar que vivem numa comunidade fechada…reduzida àqueles que por serem também Angolanos, podem nela participar sem serem olhados de alto a baixo…como aqueles que ou por serem de outro país, ou por não falarem da mesma maneira…ou até por não serem da mesma cor (isto se juntarmos às anteriores!), são impedidos amavelmente…”por diferenças sócio-culturais”, de participarem da animação destes jovens!
As festas são no Luanda, onde todos se conhecem e quando aparece alguém desconhecido (com as características antes referidas!) é quase que “esmagado” entre olhares e comentários! No hi5, poucos são os amigos Portugueses… Sei que também diferenciam os outros Palopes, não acham por bem partilhar o espaço com os Cabo-Verdianos, Moçambicanos e Guiniensses. Vivem uns para os outros, formam uma ELITE ANGOLANA, que considero pouco saudável, e como refiro no título do Post…com um cheirinho a racismo!
Posso considerar que tive sorte…posso usufruir da companhia de pessoas fantásticas…até quem sabe, arranjei novos amigos…mas talvez porque sei o que é Moamba e Pirão…e a minha família viveu em Angola!!!

Se este Blog tem a função de fazer pensar e mudar mentalidades…deixo o conselho…pensem nisto…não se fechem…num RACISMO ELITISTA!!!

Saudações Venenosas!
Por:
Portugal

12 comentários:

M.G disse...

cara Mamba negra... eu percebo o que queres dizer com o teu texto, é como costumo dizer por vezes a melhor defesa é o ataque!! o Povo Angolano tem muitos defeitos entre os quais o elitismo mesmo no auge da sua ignorância tem tendencia p achar que ele é que esta certo que todos os outros é que não valem nada, mas é um povo por norma afavel como tu mesma disseste portas abertas e onde cabe um cabem sempre mais dois ou tres e com jeitinho até mais!!! Mas também é um povo que já foi muito massacrado que hoje em dia ja desconfia das intenções dos considerados "estranhos"; a tendencia é para desmoralizar qualquer tentativa de aproximação, fazendo pagar por vezes quem não tem culpa, mas é compreensivel porque se formos analisar as coisas de forma fria e directa um angolano que chegue a Portugal, principalmente se for mesmo NEGRO, se não tiver uma boa condição finaceira, tipo kUMBU mesmo, é logo olhado de lado, tipo , mais um matumbo que vem p aqui criar disturbios!! Já ao contrário um branco do mais saloio que seja que chegue a Luanda é bem recebido e quando chega a hora d regressar p Portugal ele só o faz p vir vender o seu mini-mercado e ir d malas e bagagens p a "banda" abrir um supermercado e explorar as carencias de um mercado massacrado por N situações que não fazem parte deste comentario....
Portanto cara Mamba Negra o povo Angolano tem sim tendencia p ser separatista e até certo ponto elitista mas tem outras qualidades que o enaltecem como o facto de ser muto directo felizmente não herdamos uma das caracteristicas dos nossos colonizadores que passa pela hipocrisia!! Embora tenha herdado outros defeitos.... infelizmente!!! Sem mais .... M.G.

P.s. para que conste sou Angolana mesmo!!

Mamba Negra disse...

Cara MG, adorei o teu comentário ao meu post! Acho que percebeste a mensagem que queria passar e espero que nao me tenhas considerado hipócrita! Compreendo e concordo com tudo aquilo que dizes no teu comentário e assino por baixo!!! Não sou mesmo Angolana e só me resta lamentar...mas tenho sorte...herdei uma característica do povo angolano, transmitida pela minha Mãe que é mesmo angolana e pelo meu Pai, que cresceu em Angola...que é ser directa e honesta com todas as pessoas que me rodeiam!
Obrigada! Felicidades!

Saudações Venenosas!

Yara disse...

E bem verdade o que dizes nos os angolanos temos a mania do eu tenho, eu posso e sou melhor.
Vamos la deixar de nos armarmos em pavoes qndo somos msm e galinha rija. Acho ke se o pais e o mesmo entrao pra ke as diferencas se a historia e e sera para tds.
Acordemos dessa fantasia chamada elitismo.
A uniao faz a forca, e disso ke precisamos para mudar angola: UNIAO.

Anónimo disse...

Mamba Nega, do meu ponto de vista todas as minorias tendem a unir-se para tentarem impôr e mostrar a sua cultura, as suas capacidades e para juntos tentarem vencer. Acredito que saibas que não é de todo fácil a mudança dos "hábitos e costumes". Não posso de deixar de concordar quando me dizer que há um certo afastamento de nossa parte. Penso que as diferenças culturais que tu bens conheces, pelo que referes no teu texto são marcadas e coisas simples como uma saída a noite, são tão diferentes que se tornam difíceis, não pelas pessoas, mas muitas vezes pelo próprio estilo de música e de dança. Também deves perceber que muitos de nós viemos para cá sozinhos e encontramos pessoas com quem mais nos identificamos culturalmente, outros viemos com um grupo de amigos e por isso é normal que continuemos unidos. Espero que entendas que há sempre muitos choques culturais. De qualquer forma eu própria muitas vezes penso que vivo cá há já algum tempo e conheço pouco de Portugal, da cultura portuguêsa e que muitas vezes não participei de coisas por achar "malaiko", mas tenho muito amigos portuguêses e de outras nacionalidades. Há pessoas de todos os tipos em todas as culturas! E o racismo ou o elitismo existem em todas as sociedades, mas não neste contexto penso eu! São coisas muito mais graves e mais marcadas, mas é obvio que existem em TODO O MUNDO!

Pelusa disse...

Cara Mamba...tu vives aonde??É mesmo nesta sociedade??Tu deves andar arredada dos verdadeiros circulos angolanos e quando entraste num sentiste-te excluida e rejeitada...de certeza que convives com os angolanos lambe botas e que acham graça quando são gozados a força toda...Eu proprio quando cheguei a Lx,dei-me com todo mundo mas cada vez que via amigos meus serem gozados pela maneira de vestir,falar,ser, eu imaginava se nao faziam o mesmo quando eu nao estivesse...e nao é que faziam mesmo!!Desde então começei a cortar a direito...ate gozam com os portugueses que se dão melhor com os africanos...acredita que ate tu ja foste gozada por isso.Joguei num clube em que havia o grupo dos brancos e dos "pretos"como eles dizem...os brancos eram bem recebidos quando se juntavam a nós, ja nós qdo nos juntassemos era motivo de chacota e levavamos na brincadeira para nao haver ignorancia.
Olha eu também sou clarinho e digo mais,gosto de ser como sou e gosto de diferenciar como diferencio...eu e os angolanos,alguns cabo-verdianos num sitio e os portugueses noutro.Nós gostamos de conversar com quem nao tem medo que nós a assaltemos ou que pense que estamos a arranjar uma maneira de nos beneficiarmos.Na faculdade não é diferente,só vêm falar connosco quando precisam de algo...por isso cara Mamba negra...o mundo é assim...cruel,injusto...mas depende de que lado vês a coisa...tens visto as noticias acerca do "arrastão"??A minha opniao é que foi muito mau,mas de certeza que 95% dos deliquentes nasceram aqui em portugal.
Ainda tens que ver muita injustiça e depois vamos conversar acerca desse assunto...seria um debate de horas e no fim continuariamos a ter opnioes diferentes.
Cumprimentos,Pelusa!

M.G disse...

Eu gostaria de ter alguns esclarecimentos a Mamba negra é portuguesa certo? filha de um angolano com uma portuguesa? já esteve em angola alguma vez? e se ja que meios costuma frequentar em angola? o seu post refere-se a relação entre angolanos caboverdianos e moçambicanos é isso? ou tem haver com a sua questão pessoal??? o que tem de convivio com angolanos passa por frequentar a discoteca "luanda"?? depois de ter estas respostas vou puder teçer mais comentarios a esta questão..... aguardo resposta...

Anónimo disse...

Mamba Negra disse e disse bem!
E para responder a pergunta "Racismo ou Elitismo?"

R: É ELITISMO!!!!

Mas o grave é que não é so com os estrangeiros (Palops, e outros), o elitismo está entre seus pares também! O Angolano de Luanda acredita que é superior aos demais Angolanos das províncias...
É claro que isso não se aplica a todos os Caluandas, mas a verdade é que a generalidade pensa que sim, principalmente os jovens, porque são na maioria filhos de ricos e não tiveram muita formação intelectual. Em termos acadêmicos são bem formados quase todos estudaram em escolas Privadas ( Escola Portuguesa de Luanda, Colégio Elizangela, etc)mas no que toca a valores sociais são pobres! Escolhem as suas amizades pela cor da pele ou pelo estatuto social. São geralmente filhos de Empresários Ricos ou de altas figuras do Governo. São os novos ricos de Angola e so fazem amizades entre si, é preciso ter sido da escola portuguesa ou ser filho de Ministro pra se poder entrar no meio deles. Alguns deles fazem disputas entre si, para ver quem é o que abre mais garrafas na discoteca, ou qual é o que troca mais vezes de carros por ano!
Mas Mamba Negra, não é a generalidade dos Angolanos! Não tomes como exemplo a discoteca Luanda que pouco ou nada tem haver com Angola, vai a Angola e logo vês que é um povo na sua maioria humilde e muito acolhedor.

Parabéns ao pai deste site!

Ass: Lobito

Pelusa disse...

Bem...quanto ao que o Lobito escreveu não posso deixar de concordar com parte e discordar de outra parte.E aí reside a minha maior preocupação,porque a Mamba Negra tenta classificar o todo pela sua parte e o Lobito tenta clarificar...mas meus amigos,não tenhamos ilusões...o angolano tem por defeito ser utópico...em qualquer país do mundo existe essa diferença entre classes sociais...ou algum dos 2 acha que conseguiria entrar para um grupo restrito de Cascais??O pensamento deles,e bem provavel que não vos informassem mas fariam sentir era:"Nem pensar.Para alem de não terem dinheiro,ainda são pretos(e atenção que escrevi "pretos" e não "negros" que é a raça)" e isso meus amigos é ELITISMO E RACISMO!!E voçês acham que eu me importo com esse tipo de pessoas??DEFINITIVAMENTE NÃO!!!Eu importo em ser feliz, em estar bem comigo e se para estar bem comigo eu tiver que excluir certos tipos de pessoas do meu circulo de amizades, fá-lo-ei.Felizmente não preciso de ser assim,pois tenho amigos de todas as raças,diferentes estatutos sociais e não considero que por um ter mais dinheiro ou ter um nome mais famoso,este é mais amigo do que um que não tenha nada.Por isso meus caros amigos...Mamba principalmente...não deixes de ir ao Luanda mas não penses que os angolanos todos iguais ou são diferentes de todos os outros povos que existem no mundo...há snobs,pessoas serias,bandidos,gay's,gabirus...há de tudo e cabe a cada um ser como quiser,sem a necessidade de julgamentos morais de quem pensa que conhece a essencia da cultura angolana por comer muamba cá em Portugal ou ter feito festas com os amigos lá em casa...e assim acabo de responder ao que perguntas(Elitismo ou racismo da minha parte)...mas eu digo assim,é o colocar no devido lugar alguém que julga o todo pela parte.Espero que agora tenha sido suficientemente esclarecedora a minha resposta a tua pergunta.Beijos e Abraços

Kaluimbe disse...

Oi Mamba Negra,

Teu comentário é bastante positivo e não carece de mais explicações.
"Somos" na realidade um pouco, não diria racista nem mesmo elitista, mas sim uma mistura de varios factores que são de seguida conotados com elitismo.
A nossa desconfiança por tudo que já passamos, o facto de as comunidades (+) Moçambicanas e Cabo Verdianas admirarem-nos muito pela forma de sermos, a rivalidade em determinados subjects com os palops, influencias da comunidade, a vida "mais folgada" que o angolanos levam em relação aos irmãos palops (ou mostram ter), o atrevimento dos angolanos qd se trata das "damas", a forma agressiva da comunidade cabo-verdiana (a do exterior) quando existe algum problema, a afirmação dos angolanos no mundo de uma forma geral, a superioridade no desporto, a riqueza do país, o exercito forte da região, o patriotismo, a força da cultura etc...
O angolano é unido, é mais amigo e é claro, tem que aprender a conviver com os outros.

Lenita disse...

Já vi que o post da Mamba suscitou grande interesse. Como também suscitou o meu, cá vai o comentário:
Nunca fui a Angola, e não conheço nenhum angolano. Conheço alguns portugueses que nasceram e viveram em Angola, antes do 25 de Abril. Todavia leio muito de e sobre Angola. De Angola já li quase todos os livros do grande Pepetela, e sobre Angola leio tudo o que me chega às mãos geralmente através da imprensa. Sei algumas coisas, conheço muitos factos históricos, conheço a geografia, o clima, as tribos, os dialectos, os flagelos, a beleza, a pobreza e a riqueza. Conheço mas nunca vi. Talvez em breve.
Dos PALOP conheço Moçambique bastante bem, e Cabo-Verde. E posso garantir pelo que conheço, que os males de Angola são os mesmos que os das outras ex-colónias portuguesas. Quase tudo o que li nos outros comentários poderia ser sobre Moçambique ou Cabo-Verde. Tanto os defeitos, como as virtudes. Essa similaridade faz-me pensar nas causas das coisas. Tenho a minha opinião, mas seria preciso escrever um livro para a explicar.
Para já o que queria dizer é isto:
Acredito na unidade da natureza humana e é nessa unidade que encontro a explicação para muitas coisas, nomeadamente a similaridade de comportamentos, a tendência para criar elites, a criação de fossos entre as classes sociais, etc. Se não fosse assim, que explicação haveria para o falhanço do modelo socialista?! Bem, mas voltando ao essencial. Acho que na unidade do homem reside também a sua capacidade de amar e de criar beleza. Por isso é que as manifestações culturais existem em toda a parte do mundo. Assim, querida Mamba, penso que esse elitismo de que falas, e que encontrei sempre em todos os lugares que já visitei, são naturais do ser humano. E tu sabes que nós não podemos falar muito, porque embora achemos que somos impecáveis, às vezes também falhamos e deixamo-nos toldar pelo preconceito e pelo medo do desconhecido.Muitas vezes é o medo que nos leva a ter certos comportamentos.
Há duas coisas que guardo de África, a alegria e a beleza, e é isso que espero um dia venhas a conhecer. Quanto às pessoas tenho a certeza que, se fores de espírito aberto, guardarás para sempre boas recordações e farás amigos para a vida. O tempo que passei em África, sobretudo em Moçambique, fez-me ver o mundo de outra maneira. Ás vezes (quase sempre), os nossos problemas não são tão grandes quanto julgamos, às vezes (quase sempre), a felicidade está ali ao lado, nós é que andamos pouco atentos e deixamo-la fugir. A magia de África para mim foi essa. A de encontrar a felicidade no cheiro do mato, na cor do céu e nos grandes amigos que fiz e que nunca hei-de esquecer. África fez-me ver que o mundo não somos só nós. O mundo não é só a Europa e os Estados Unidos. O mundo é 80 por cento mais que isso. E é para perto da maioria que eu quero ir, logo que possa. Espero um dia ter-te lá comigo, para me contares na primeira pessoa, quais são as tuas impressões da terra onde um dia nasceu a tua mãe.
Com amizade,
Lenita ;)

cymbaloum (at)volloeko(.)de disse...

Haveria muito que dizer sobre as "elites" angolanas, e sobre o racismo em Angola...

Mas o que eu acho interessante neste texto é que ele vem de uma nostálgica de Angola, e que pelos vistos atraiu outros nostálgicos (como eu e a Lenita).

O que é certo é que Angola (e talvez a Africa em geral) marca profundamente as pessoas. De tal maneira que elas conseguems suscitar "saudades" do país em pessoas que nunca viveram là!

Quanto a mim exilei-me de Angola à quase duas décadas por causa da guerra. Vivo num país onde Angola é um lugar desconhecido e insignificante, e até nem convivo com nenhum lusófono. Mas lá vou lendo regularmente o último Pepetela, enquanto mantenho-me mais ou menos informado da situação do país pela internet (difícil).

Enquanto angolano branco sinto-me raro e irreal como uma palanca negra, e a minha vida em angola é tão diferente da actual que parece um sonho longínquo. Gostaria de voltar ao país, mas as experiências de pessoas da minha família que o tentaram sem sucesso temperam qualquer perspectiva nesse sentido.

Entretanto é agradável ver sinais de Angola na rede, estou ansioso de ver como as coisas vão evoluir com o fim da guerra.

nunes disse...

Estou prezado de sentir-me em casa mais no obstante eis a minha preocupcao, ao definirmos o angolano temos que averiguar certos parametros assim e: conhecido como um dos povos mais sofredores de africa a nivel colonial onde ate agora os vestigios de escravatura ainda e evidente netste ambito ha que ponderar `a ideologia do angolano perante as ooutras culturas, mais pergunto me quem os criou claro que nao foi o Angolano mas sim o colonizador que sempre separou e nunca uniu, um caso quotidiano e que se faz ver nas ruas de lisboa nos locais de trabalho onde o factor raca domina o grau de qualificacao enato existe lacunas que devm ser antes de mais excluidas por vossa parte so entao o tal dito racismo ou eulitismo paira. Desculpe se a fiz entender de uma forma sadica mais a verdade e dura e cruel e assim sera, quanto ao caso dos palops existe uma diferenca quer seje no campo cultural ou sociologico, todos somos africanos como vos sos europeus mais ambos sao de culturas diffrentes pois ai esta sera mais facil ter um roll model como um Mantorras,yuri da cunha,bonga, do que um justino delgado, gil semedo etc,e este meu pequeno esclarecimento tambem e vigente nas criancas africanas que ate agora nao tem um roll model que se identifique a seu favor, no obstante Portugal tem que fazer muito para mudar a atitude dos jovens de etnia africana a terem uma visaao mais para a diversidade do que reversidade, so espero que estas palavras lhe superem a visao que obtiveste do Angolano, nos somos gentes de carisma amor e caracter soubemos lidar mais tambem soubemos igorar tente averiguar bem a situacao de portugal se resolveres entao este tipo de atitudes sera ultrapassado{etnia Africana}com orgulho que tenho vou te dizer sou puro mangope(kaluanda) origens bakongas.


ps: deixei angola ainda candengue e nunca la voltei hoje tenho 26 anos e com duas patrias no coracao.

ass: Nunes